Comentário objETHOS: os limites do jornalismo sobre investigações

Postado em Updated on

Samuel Lima
Docente da FAC/UnB, professor visitante na UFSC e pesquisador do objETHOS

O “caso Carlinhos Cachoeira” ocupa os espaços da mídia tradicional há pouco mais de dois meses, de forma mais intensa a partir da prisão do bicheiro, em 29 de fevereiro. De lá para cá, seus negócios escusos com operadores públicos e empresas privadas têm sido objetos de pautas num exercício que se pode identificar como “jornalismo sobre investigações”, na acepção de Solano Nascimento, salvo raríssimas exceções. A aprovação da CPMI para investigar as conexões do esquema deixa no ar a velha indagação: é pra valer ou de novo a sociedade vai assistir à “encenação” de uma nova pizza?

As ligações perigosas de Carlos Augusto Ramos, o Cachoeira, hoje recolhido ao presídio da Papuda, em Brasília, até aqui já vitimaram politicamente um senador (Demóstenes Torres, sem partido – GO) e colocam pelo menos três governadores no alvo: Marconi Perillo (PSDB – GO), Agnelo Queiroz (PT – DF) e Sérgio Cabral (PMDB – RJ). Em tese, os negócios das organizações criminosas comandadas pelo “empresário”, envolvem governadores dos maiores partidos políticos com representação no Congresso Nacional, incluindo o mais importante opositor do governo Dilma Rousseff. O pesquisador Guaraci Mingardi é categórico na definição de crime organizado: “(a) existência de uma hierarquia bem definida (hoje ditada pela capacidade de liderança e pelo conhecimento); (b) previsão de lucro, de resultado operacional, daí a decorrência de um modelo com traços de empresa capitalista; (c) simbiose com o Estado, razão última da subsistência e perenidade”.

Do ponto de vista da cobertura, até aqui, prevalece um bordão comum nos casos de corrupção: os agentes públicos são expostos, como suspeitos, mas as empresas, salvo o caso da Delta Construções, ficam à sombra. O jornalismo sobre investigações, “dependente químico” da revelação de grampos e nacos de informação “liberados” pela Polícia Federal e Judiciário, vai auxiliando por sua falta de investigação autônoma, o cozimento de mais uma pizza. Ao longo de toda cobertura, louvável exceção partiu da Folha de S Paulo, que publicou entrevistas exclusivas com Fernando Cavendish (dono da Delta Construções, edição 19/04) e Andressa Alves Mendonça (mulher de Cachoeira, edição 27/04).

Nas edições do final de semana passado (05 e 06/05), por exemplo, sobram grampos e faltam informações consistentes. Em O Globo, o distinto público vai encontrar o balcão de negócios dos advogados contratados pelos políticos até aqui suspeitos de envolvimento no megaesquema do bicheiro goiano. Ex-líder da oposição, o senador Demóstenes Torres tem como defensor um criminalista top: Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que já atuou como advogado de outros políticos acusados de corrupção. Cachoeira contratou os serviços do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos. Qual o valor dos honorários? No caso de Bastos, a reportagem inova na forma: “surgiram rumores de que o rei da jogatina em Goiás desembolsaria a fortuna de R$ 15 milhões pelos serviços advocatícios do ex-ministro. Bastos nega que o cachê seja tão expressivo”. Sem prova documental produzida pelo jornalista, vale como fonte os “rumores”.

Os textos publicados em O Estado de S.Paulo, mantêm essa mesma toada. Senão vejamos:

“Diálogos interceptados pela Polícia Federal colocam a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) no foco das investigações sobre a organização criminosa comandada pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, desmantelada pela Operação Monte Carlo”

Pela undécima vez, a fonte única da investigação da PF se fez ouvir. Apuração própria do jornal? No limite, a reportagem ouviu a negativa de duas fontes (os catarinenses Norberto Rech, ex-dirigente da Anvisa, e o político Ênio Branco).

A novidade ficou por conta da jornalista Suzana Singer, ombudsman da Folha de S. Paulo. Tocando num tema tabu, as relações da mídia com o esquema de Cachoeira, ela abre uma fresta para o debate público, ainda que faça uma estranha defesa prévia das relações da revista Veja com as organizações Cachoeira. Singer escreve:

“Já menções à imprensa, na grande imprensa, têm sido quase ignoradas. A Folha, que tem ombudsman para publicar o que a Redação menospreza, aparece em dois grampos, nada comprometedores”.

Com efeito, Singer retoma o artigo publicado pelo Diretor de Redação de Veja defendendo o indefensável: “ter um corrupto como informante não nos corrompe”. Na lógica do panfleto semanal da Editora Abril, “maus cidadãos podem, em muitos casos, ser portadores de boas informações, se o interesse público maior supera mesmo o subproduto indesejável de satisfazer o interesse menor e subalterno da fonte”. Até onde sabemos, a revista não é órgão do poder Judiciário para oferecer “delação premiada”, tampouco tem as prerrogativas de um Ministério Público para “investigar” quem quer que seja.

O mérito da coluna de Susana Singer, cujo apropriado título “Tema proibido” já diz muito, está no final:

“Grampos mostram que a mídia fazia parte do xadrez de Cachoeira. Que essa parte do escândalo seja tratada sem indulgência, com a mesma dureza com que os políticos têm sido cobrados. Permitir-se ser questionado, jogar luz sobre a delicada relação fonte-jornalista, faz parte do jogo democrático”.

A ver.

Um olhar mais geral sobre esse tipo de cobertura, na qual prevalece o “jornalismo sobre investigações” em detrimento ao indispensável jornalismo investigativo, nos remete outra vez ao jornalista Solano Nascimento (no seu excelente “Os novos escribas”), citando o pesquisador David Protess, ele reforça o potencial transformador deste último tipo de jornalismo na construção de uma agenda política: “os resultados substanciais, que envolvem regulamentação, legislação e mudanças administrativas” são plenamente alcançáveis desde que prevaleça o jornalismo investigativo, fortemente conectado ao interesse público e ao futuro da democracia. Caso contrário, o risco é ficar ao nível indigesto da “pizza”, com pífios resultados individualizados: caem os Demóstenes, Perillos, Agnelos et caterva, mas as organizações criminosas continuam agindo, em profunda simbiose com o Estado. Ou será que Cachoeira é o único bicheiro em atividade no país?

About these ads

Um comentário sobre “Comentário objETHOS: os limites do jornalismo sobre investigações

    DENIS BATISTA (@DenisPiano) disse:
    10 de maio de 2012 às 12:56

    É ultra necessário que nosso instrumento de fiscalização dos poderes seja utilizado de maneira transparente e independente de interesses privados. O povo anida engatinha na perspectiva de peneirar o que é bom, tanto em se tratando de políticos quanto em mídia, e forçado pela falta de educação (promovida pelos primeiros que insistem em programas inconsistentes e ineficientes) e pela “credibilidade” dos conglomerados da comunicação que usam e abusam de seu poder de persuasão das massas. Pode parecer difícil combater todo esse lixo social de uma só vez, mas é hora dos verdadeiros representantes do povo virem à tona, assim também jornalistas realmente comprometidos com a verdade, livres das amarras do corporativismo e do status de ser de um ou outro “grande veículo” que paga seu “salarinho”. A internet está aí: convite aos bons e maus editores, mas que pode dar voz aos independentes e competentes…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s