Assassinato Sob Duas Bandeiras

Por Natacha Amaral
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina

É 25 de junho de 1978. Porto Rico comemora o Dia da Constituição e o 26º ano do país como comunidade dos Estados Unidos. É época também de eleições a governador e Villanueva tenta a reeleição. Enquanto as comemorações prosseguem pela cidade, três jovens vão até a torre de comunicação em Cerro Maravilla, na Floresta Toro Negro, usando um táxi. Os jovens, já no alto da torre, são baleados e mortos, exceto um, Jesus Fuentes, agente da polícia disfarçado. Os dois jovens mortos eram terroristas como alegava o governo? Ou eram estudantes ativistas levados à morte pelo FBI por motivos políticos?

Essa era a resposta perseguida pela ativa e inconformada jornalista de TV Kate Melendéz, personagem de Amy Irving em Assassinato Sob Duas Bandeiras (A Show of Force). O filme é um forte thriller político inspirado no livro Murder under two flags (1986) de Anne Nelson e em fatos reais ocorridos quando Porto Rico cogitava tornar-se o 51º estado norte-americano, idéia combatida por grupos independentistas, entre eles, estudantes.

Kate Melendéz é a repórter responsável pela veiculação do caso no programa de notícias do jornal do Canal 78. Apurando mais informações sobre o caso, a jornalista desconfia cada vez mais de uma trama política por parte do governo para que seu candidato fosse reeleito, o que de fato aconteceu. Kate acompanha e noticia a investigação do caso pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, entrevistando as fontes oficiais (autoridades do governo), mas luta, constantemente, para expor o outro lado da história: os depoimentos de familiares dos jovens mortos.

Ao passo que a repórter vai mais fundo nas investigações, descobre mais incoerências e começa a “incomodar” os envolvidos. Sofre ameaças verbais, físicas e é afastada do telejornal. As investigações sobre o caso cessam por um período. Já abalada, mas não menos indignada, Kate Melendez recorre à comissão de Direitos Humanos com forte argumentos e provas contra um agente do FBI, o que reabre as investigações. O grande júri federal cuida do caso e o promotor público Luis Angel Mora, personagem de Andy Garcia, é o responsável.

A repórter consegue permissão para transmitir o julgamento ao vivo pelo Canal 88, emissora onde conseguiu um novo emprego. Em uma atuação brilhante, Andy Garcia, como promotor, contribui para a elucidação do caso de forma extraordinária. A jornalista, cujo marido era um advogado competente e um ativo independentista, realizava-se ao ver a justiça sendo feita.

O filme mostra, ao mesmo tempo, a rotina do jornalismo de TV e expõe as diversas dificuldades e pressões por que passa um profissional compromissado com a verdade. Mais importante ainda, expõe a manipulação política que forja dados, usa pessoas e situações para conseguir vantagem, promoção ou crédito – uma trilha traiçoeira de mentiras e violência.

Assassinato Sob Duas Bandeiras foi dirigido pelo brasileiro Bruno Barreto, casado com Amy Irving, a protagonista do filme e ex-mulher de Steven Spielberg. O filme foi sua estréia como diretor nos Estados Unidos, país onde ficaria mais nove anos para depois voltar ao Brasil e dirigir O Que é Isso, Companheiro? em 1997, filme que concorreu ao Oscar como Melhor Filme Estrangeiro. Bruno Barreto dirigiu também a comédia romântica Bossa Nova (2000), Gabriela Cravo e Canela (1982) e Dona Flor e seus Dois Maridos (1976).

Este último, por exemplo, transformou-se no maior sucesso nacional de público com 12 milhões de espectadores, só perdendo a liderança na década de 90 com o lançamento de Titanic. Bruno Barreto é irmão de Fábio Barreto, diretor de O Quatrilho, filme indicado ao Oscar em 1996, e de Lula, o filho do Brasil (2009).


FICHA TÉCNICA

Título original: A Show of Force.
Direção: Bruno Barreto
Produção: John Strong
Elenco: Amy Irving, Andy Garcia, Lou Diamond Phillips, Robert Duvall e Kevin Spacey.
Roteiro: Evan Jones e John Strong.
Duração: 93 minutos
Ano: 1990
Baseado no livro Murder under two flags, de Anne Nelson (1986).