Paradas obrigatórias para quem pensa e se interessa por jornalismo e ética:

  • A era das wikirevoluções: uma entrevista com o sociólogo Manuel Castells: http://bit.ly/hT01na
  • O comissário dos direitos do homem no Conselho da Europa publicou um documento temático sobre direitos humanos e deontologia jornalística. Informações em francês (http://bit.ly/hKVOsA) e documento em inglês (http://bit.ly/evIx5a).
  • Nos Estados Unidos, Eddie Sykes se preocupa com o uso jornalístico de dados que permitam a identificação de fontes e pessoas. Que cuidados éticos deve haver? Em inglês, direto do Investigative Reporters & Editors (IRE): http://bit.ly/fANAhs
  • Da Inglaterra, Paul Bradshaw se pergunta: o objetividade mudou, por que não o jornalismo? Em inglês: http://bit.ly/fuA36v
  • Como lidar com informações que podem colocar a vida em risco? Diante desse dilema, Federica Cherubini mostra duas respostas bem distintas. Em inglês: http://bit.ly/fJtDy0
  • O economista venezuelano Angel Alayón escreve sobre a arte de difundir rumores. Em espanhol: http://bit.ly/h99sKO
  • Guilherme Freitas e Luísa Guedes abordam segredos do rumoroso site Wikileaks. No Observatório da Imprensa, reproduzido de O Globo: http://bit.ly/f9wsJX
  • A evolução do consumo das informações, post de Denis Teyssou para o AFP-Media Watch. Em francês: http://bit.ly/gBwwn5
  • A velha discussão sobre jornalistas versus blogueiros. Jay Rosen antecipa o que irá tratar num evento de mídia interativa no Texas na próxima semana. Em inglês: http://bit.ly/dJuDWF

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements