“A empresa tem a sua ética, que é a dos donos. Pode variar de jornal para jornal, mas o que os jornalistas deveriam exigir seria um tratamento mais ético da empresa em relação a ele e seus colegas. Isso não tem acontecido. É preciso uma atitude muito ética dentro da redação: os chefes e os responsáveis pelo jornal têm de dar o exemplo ao pessoal mais novo, senão é o caos. Um chefe de redação que tolera hipocrisia e golpes baixos contra funcionários do jornal perde a ética e o direito de usar essa palavra”
Cláudio Abramo, jornalista brasileiro

“A partir do momento em que eu comecei a ver a imprensa como um instrumento penetrado pelas contradições da sociedade, percebi que ela não era onipotente e eu não era impotente. E que, portanto, o que nós temos é um campo de luta. Um campo de luta que não vai ser previamente resolvido por nenhum código – embora o código seja fundamental -, porque essa disputa ética e essa disputa política se fazem no cotidiano. É uma luta permanente, que tem de ser travada por todos nós”.
Herbert de Souza, o Betinho, sociólogo brasileiro