imagem-exposicaoA partir de sexta-feira (4), o hall do Centro de Expressão e Comunicação (CCE) da UFSC recebe a exposição “Coronelismo Eletrônico: as concessões de radiodifusão na história política do Brasil”. A mostra integra as atividades da V Jornada Discente do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (POSJOR/UFSC) e é promovida pelo Grupo de Pesquisa Políticas e Economia da Informação e da Comunicação (PEIC), composto por pesquisadores de diversas universidades brasileiras. Na UFSC, os responsáveis pelo evento são o Núcleo de Estudos e Produção Hipermídia Aplicados ao Jornalismo (Nephi-Jor), Observatório da Ética Jornalística (ObjETHOS) e coordenação do POSJOR, com apoio do Departamento de Jornalismo da universidade.

Os visitantes podem conferir durante a exposição painéis com dados e documentos sobre o coronelismo eletrônico no país, em que é retratada a relação entre a concessão de licenças de rádio e televisão e o cenário político brasileiro. Dentre os exemplos de coronelismo reunidos na mostra estão os casos da família do ex-Ministro das Comunicações, Antônio Carlos Magalhães, que controla a Rede Bahia, e da família do ex-presidente Fernando Collor de Melo, responsável pela Organização Arnon de Mello. A mostra é gratuita, aberto ao público e segue até o dia 11 de dezembro.

Jornada Discente organiza mesa-redonda sobre o tema

A abordagem sobre coronelismo eletrônico também será ampliada durante a programação da Jornada Discente. Intitulada “Coronelismo eletrônico: os donos da mídia no Brasil”, a mesa-redonda realizada no dia 10 de dezembro, quinta-feira, às 16h30, apresenta um debate acerca do tema conduzido pela Profa. Dra. Suzy dos Santos (UFRJ), doutoranda Janaine Aires (UFRJ), Prof. Dr. Rogério Christofoletti (UFSC) e mediado pela Profa. Dra. Raquel Ritter Longhi (UFSC).

Advertisements