da News:Rewired e de Red Ética Segura

Quando se trata de informar notícias de última hora, são coisa do passado os dias em que os jornalistas se sentavam para esperar a chegada de material de uma agência de notícias.

As redações dependem agora, em grande medida, das publicações feitas por testemunhas, ou conteúdo gerado por usuários, para tornar conhecido o andamento de uma notícia com conteúdo multimídia pertinente.

Para Fergus Bell, dar um uso ético ao conteúdo gerado pelos usuários é essencial para o futuro do jornalismo. Para o co-fundador da Iniciativa de Ética para o Conteúdo Gerado por Usuários da Online News Association (ONA), é necessário contar com um modelo sustentável para o uso da informação encontrada nas redes sociais, de forma que ajude a consolidar a confiança das audiências nas organizações de notícias.

“Há maneiras de ser competitivo e ético ao mesmo tempo. Isso requer que a indústria trabalhe unida. Há certas normas que podemos chegar a estabelecer. Só porque as redes sociais são algo novo, não significa que não possamos nos reunir e nos colocarmos de acordo sobre como usá-las adequadamente”, disse Bell em discurso pronunciado no In Focus, evento da News: rewired.

A sustentabilidade significa construir confiança para que as redações e os jornalistas sigam sendo vistos como profissionais que podem utilizar o conteúdo gerado pelos usuários de forma ética e profissional.

A seguir, são apresentadas algumas recomendações de Bell:

O QUE FAZER:
– Seja transparente
Assegure-se de que seu público sabe como está sendo utilizado o conteúdo gerado pelos usuários.
“A transparência é chave aqui, e é uma questão de sustentabilidade. Nosso público vai buscar este conteúdo. Eles têm habilidades de verificação próprias e precisam saber que nós podemos fazer o mesmo. Precisam entender nossas normas e a forma como trabalhamos. Não só pelo fato de informar a tempo, mas para mostrar a eles que sabemos o que estamos fazendo”.

– Use ferramentas profissionais
Bell acredita que os dias de software livre estão chegando ao fim. Recomenda o uso de serviços pagos como DataMinr, Geofeedia e SAM para filtrar o conteúdo gerado pelos usuários que possa agregar valor às histórias.

– Tire o máximo de proveito das redes sociais
TweetDeck, Google Trends e Facebook Signal são recursos valiosos para a detenção de conteúdo gerado pelos usuários na hora de compilar material sobre notícias de última hora. “São ao menos um trampolim para saber o que sua audiência quer saber, os temas que precisam de atenção em curto prazo”, diz Bell.

NÃO FAÇA:
– Não republique conteúdo não verificado
O fato de outras agências de notícias incorporarem conteúdos sem verificar não significa que a sua redação deva fazer o mesmo. Ao invés de ver isso como uma oportunidade potencialmente perdida, encare como uma oportunidade em potencial para ganhar credibilidade. E se não for possível verificar a fonte? Bell recomenda buscar conteúdo novo.
“Se você percebe que a fonte não é boa, que o evento é antigo ou o conteúdo foi falsificado, detenha-se. É muito custoso, em termos de tempo, verificar se uma foto ou vídeo é verídico. Se algo não cheira bem, é melhor que tome outro caminho e busque outra informação que valha a pena”.

– Retrate-se em conteúdos não verificados
“Eu os encorajo a não se isentarem de responsabilidades porque simplesmente não há valor nisso. Qual é o valor de uma isenção de responsabilidade senão o de tentar ocultar que não se trata de uma informação confiável? Sei que pode soar pavoroso, mas os ganhadores neste negócio serão os que puderem determinar que o conteúdo compartilhado é verídico”, disse Bell.

– Não bombardeie as testemunhas com solicitações
Como parte do estabelecimento de fluxos de trabalho nas redações, estabeleçam uma estratégia para que as testemunhas dos fatos de última hora não recebam muitos pedidos da sua organização para obter declarações. Isso reflete uma imagem pouco profissional – tanto para suas fontes em potencial quanto para o público em geral.

– Não deixe todo o trabalho para a automatização
Bell afirma que, apesar de se estar avançando na verificação de conteúdo gerado pelos usuários (incluindo o impressionante trabalho nas tecnologias de redes neurais), a ferramenta de trabalho mais importante continua sendo o seu cérebro.

Seus instintos, experiência e conhecimento, ainda não podem ser replicados pelas máquinas mais avançadas.

Tradução: Mariana Rosa

Advertisements