Paradas obrigatórias para quem pensa e se interessa por ética e jornalismo:
  • A Associação Nacional de Jornais recorreu ao Supremo Tribunal Federal para limitar a participação de capital estrangeiro em portais de notícia na internet. Na análise do jornalista e advogado Luiz Orlando Carneiro, a ação parte de uma interpretação equivocada da Constituição sobre o termo “empresas jornalísticas”: bit.ly/2f5qZqL.
  • O robô Politibot foi criado para entregar notícias e visualizações de dados sobre as eleições de 2016 na Espanha, através do aplicativo Telegram. Um dos jornalistas responsáveis pela construção do serviço traz mais detalhes sobre o bot. Confira a entrevista feita pela IJNet: bit.ly/2eAoDj2.
  • Edward Snowden participou recentemente de uma videoconferência mediada pelo professor e pesquisador Dan Gillmor. O ativista enfatizou que técnicas como a criptografia de dados não conseguem proteger totalmente a comunicação entre jornalistas e fontes: bit.ly/2flz5uN.
  • Racismo é o tema da terceira parte do minimanual do jornalismo humanizado, uma publicação da ONG Think Olga. O guia é formulado em parceria com o site Blogueiras Negras e a Cojira/SP (Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo). Acesse: bit.ly/2f5hpUC.
  • O livro Diálogos Lusófonos em Comunicação, organizado por Hélder Prior, Liziane Guazina e Bruno Araújo, é o lançamento mais recente do LabCom. A obra debate questões que perpassam jornalismo político, rádio, internet e transformações na democracia. Leia e faça o download: bit.ly/2eE2YGN.
  • Novos dados sobre a violência contra jornalistas: apenas 11% dos assassinatos contra os profissionais na América Latina e Caribe foram solucionados. Os números são do Relatório 2016 da Diretoria Geral da Unesco: bit.ly/2eCXRXb.
  • Conheça o projeto Ctrl+X, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Na plataforma, é possível acessar um mapeamento dos processos judiciais que ocorreram durante as eleições de outubro contra a divulgação de informações no Brasil: bit.ly/2fgtE3V.
  • O blog Jornalismo nas Américas escreveu um perfil sobre Verónica González Bonet, a única âncora de televisão na América Latina com deficiência visual. A jornalista argentina, que reside em uma província de Buenos Aires, é premiada nacionalmente por desafiar os estereótipos da indústria de mídia: bit.ly/2fHud7c.