“Jornalismo e privacidade na década da transparência” é o tema de um evento que será realizado no próximo dia 1 de novembro, no Auditório Elke Hering – Biblioteca Universitária, na Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadores do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS) e especialistas em jornalismo e direito estão entre os convidados. O evento, que será realizado das 14 às 17h e das 19 às 22h, é gratuito e aberto ao público, mas terá inscrições limitadas, no próprio local.

Durante a tarde, a mesa “Liberdade de expressão, de imprensa e direito ao esquecimento”, contará com a participação da pesquisadora Denise Pinheiro (Udesc) e do advogado José Vitor Lopes e Silva, presidente do Instituto Catarinense de Direito Digital. A mediação é de um dos coordenadores do objETHOS e professor da UFSC, Rogério Christofoletti. Já à tarde, o debate será sobre “Privacidade, transparência e ética”, com a participação do professor e pesquisador português Carlos Camponez, da Universidade de Coimbra, e do professor Rogério Christofoletti. A mediação é do professor Samuel Lima (UFSC), também coordenador do observatório.

Segundo Christofoletti, a proposta do evento é trazer um debate qualificado sobre um assunto que tem gerado muitas discussões tanto para o jornalismo, como para áreas como direito e tecnologia. “Estamos vivendo tempos de invasão de privacidade, de altíssima exposição em redes sociais, de vigilância massiva, de coleta de dados pessoais sem o conhecimento dos cidadãos e de direito ao esquecimento. Debater o tema da privacidade é discutir também a liberdade e a própria individualidade”, comenta. O tema também dialoga com pesquisas desenvolvidas pelo grupo.

O evento faz parte das celebrações dos dez anos do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC, o POSJOR, e de oito anos do objETHOS.

Quem são os debatedores e mediadores

> Carlos Camponez é professor da Universidade de Coimbra onde coordena o Grupo de Investigação em Comunicação, Jornalismo e Espaço Público do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX, o Ceis20. Dirigiu o Mestrado em Comunicação e Jornalismo e a Licenciatura de Jornalismo e Comunicação na mesma instituição. É jornalista e trabalhou nos jornais Diário de Lisboa, A Capital, Público e Região de Leiria. Foi membro do Sindicato dos Jornalistas e do Conselho Deontológico, além de diretor da Mediapolis – Revista de Comunicação, Jornalismo e Espaço Público, da qual foi fundador. Carlos Camponez é autor de “Deontologia do Jornalismo”, entre outros livros e artigos científicos na área.

> Denise Pinheiro é professora de Direito na Udesc. Sua graduação, mestrado e doutorado se deram na UFSC, com período sanduíche na Université de Strasbourg, na França. Sua tese abordou a liberdade de expressão e o direito ao esquecimento, tema a que vem se dedicando em outros estudos. Denise Pinheiro também já foi professora do Cesusc.

> José Vitor Lopes e Silva é presidente do Instituto Catarinense de Direito Digital. Advogado especializado em Direito Digital com estudos pela GV/LAW-SP, atua na Lopes e Philippi Advogados, e presta consultoria na área para grupos de comunicação em Santa Catarina e Paraná. No debate, pretende abordar a oposição entre direito ao esquecimento e liberdade de imprensa, e suas implicações éticas, morais e legais.

> Rogério Christofoletti é jornalista e professor da UFSC. É um dos coordenadores do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS) e pesquisador do CNPq. Autor de livros e artigos sobre ética e deontologia, atualmente pesquisa privacidade e jornalismo.

> Samuel Pantoja Lima é jornalista e professor da UFSC. É um dos líderes do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS) e coordena o projeto de extensão de alfabetização midiática de estudantes do ensino médio em escolas públicas de Florianópolis.

Sobre o objETHOS

O observatório foi criado em setembro de 2009 e é uma iniciativa de pesquisa, acompanhamento e monitoramento da ética praticada por jornalistas e meios de informação. A equipe é formada por pesquisadores de três universidades brasileiras (UFSC, UFF e UFPR) e por pesquisadores em formação, em nível de doutorado, mestrado e graduação.

O grupo desenvolve investigações para teses, dissertações e estudos específicos sobre ética jornalística, crítica de mídia, identidade profissional, tecnologias associadas ao jornalismo, novos modelos de negócio e de produção jornalística, mídia independente, e novas configurações do ecossistema informativo. Recentemente, lançou um ebook com entrevistas de especialistas em ética e tecnologia no mundo em comemoração aos seus oito anos.

Serviço

  • O quê? Ciclo de debates “Jornalismo e privacidade na década da transparência”
  • Quando? 1 de novembro, das 14h às 17h e das 19h às 22h.
  • Onde? Auditório Elke Hering – Biblioteca Universitária – UFSC.
  • Gratuito, com inscrições limitadas, no local, e emissão de certificado.
Advertisements