Paradas obrigatórias para quem pensa e se interessa por ética e jornalismo:

– Ao menos nove dos 50 veículos brasileiros mais influentes são controlados por igrejas, segundo a pesquisa Media Ownership Monitor Brasil. A religião também ocupa espaço significativo na TV: 21% da grade é ocupada por programas do gênero, em uma análise dos seis principais canais do país: bit.ly/2CTeBVf

– Pedro Varoni, editor do Observatório da Imprensa, analisa dois movimentos da Folha de S. Paulo – seu novo manual de redação, que discute o futuro do jornalismo, e a decisão de não publicar conteúdo no Facebook: bit.ly/2FcgCkV

– “Desafios à liberdade de expressão no século XXI”, lançado pela Artigo 19, reúne textos de especialistas como Ronaldo Lemos e Paula Miraglia. O dossiê discute questões contemporâneas do jornalismo, das fake news à governaça de algoritmos: bit.ly/2oyYfwS

– Um grupo de jornalistas, advogados e ativistas reuniu-se para exigir mudanças na Lei Orgânica de Comunicação, no Equador. O país enfrenta diversas barreiras em relação à liberdade de imprensa e, desde a implementação da lei, em 2013, 1801 casos contra jornalistas e veículos foram abertos: bit.ly/2F7fPyg

– Relatório recente do Intervozes discute o panorama do Marco Civil no Brasil, identificando e interpretando dados sobre o acesso universal à Internet: bit.ly/2GTIRlw

– Possíveis efeitos psicológicos são alguns dos desafios éticos enfrentados no jornalismo imersivo que utiliza Realidade Virtual: bit.ly/2GSEhE2

– O jornalismo que promove diálogos com sua audiência pode contribuir para a discussão de temas polarizados na sociedade, segundo uma experiência local em San Francisco, nos Estados Unidos: bit.ly/2CS7BIi

– Baixe o segundo volume do livro “Economia Política da Internet”, dedicado ao jornalismo online. Participam da obra pesquisadores do Observatório de Economia e Comunicação (OBSCOM-CEPOS) da Universidade Federal de Sergipe: bit.ly/2GVo94T

– Um projeto conduzido pela Universidade de Ottawa, em parceria com a UNICEF, pretende investigar o comportamento de crianças canadenses na internet, com foco em questões sobre privacidade: bit.ly/2F7q2yA

– 40% dos usuários de Whatsapp nunca ou raramente checam a veracidade das informações que recebem pelo aplicativo. Os dados são do site Aos Fatos, que pesquisou o consumo de notícias online e em redes sociais: bit.ly/2CShtBU

Advertisements