Samuel Lima
Professor e pesquisador do Departamento de Jornalismo e do Posjor/UFSC. É pesquisador do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS).

Passadas quase duas semanas do covarde (e cruel) assassinato da vereadora carioca Marielle Franco e de Anderson Gomes, motorista da parlamentar, é possível refletir criticamente sobre a cobertura dos dois maiores jornais impressos do país (Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo).

            Desconheço qualquer investigação jornalística de ambos – nada foi anunciado ou informado aos seus leitores. O rumo da cobertura, passado o momento de comoção nacional e repercussão internacional, parece seguir a dimensão “palaciana” (chapa-branca, no jargão profissional), como havia identificado alguns dias depois a jornalista Paula Cesarino Costa (ombudsman da Folha), em sua coluna de 18/03/2018 (Leia aqui: https://bit.ly/2G4qOgh):

São diversas as dimensões da morte de Marielle Franco: a dimensão palaciana, a dimensão política, a dimensão institucional da democracia, a dimensão policial, a dimensão dos moradores da favela, a dimensão movimento negro, a dimensão LGBT, a dimensão da mulher na política.

A Folha parece estar distante de várias delas. Perdeu a dimensão das comunidades, das manifestações, do que se convencionou chamar de voz das ruas. Sem essa voz, ficou —como sempre— no aspecto palaciano, na modorrenta narrativa dos gabinetes de Brasília.

            Com efeito, no dia seguinte à execução de Marielle, a Folha deixara no ar apenas uma reportagem em sua home, intitulada “Assassinato de Marielle mobiliza Planalto para combater desgaste”. Mesmo assim, ouvido pela ombudsman do seu jornal, o jornalista Vinicius Mota, secretário de Redação, avaliava o saldo da cobertura como “positivo”, reconhecendo apenas as “falhas” como a “baixa visibilidade dada ao crime na noite do dia 14 e o pouco destaque na capa do impresso do dia 15”. Do ponto de vista das lacunas do conhecimento jornalístico sobre o caso ou ainda o grotesco erro de avaliação da repercussão mundial, Mota não emitiu uma única palavra.2018 03 25 Paula Cesarino - Das responsabilidades

            Ao desprezar as várias dimensões possíveis noticiosas (e humanas) do trágico acontecimento o executivo da Folha refletiu, ao naturalizar que sua cobertura fora “positiva” mais que uma simplória visão de mundo – um estranho tipo de conteúdo jornalístico sem conhecimento. Não se trata apenas de um erro de viés, ditado por uma lente ideológica conservadora. Ora, se das várias dimensões apontadas por Paula Cesarino (dimensão política, institucional da democracia, policial, a dos moradores da favela, do movimento negro, LGBT, da mulher na política) restou apenas a “palaciana”, a Folha abandonou seus leitores à própria sorte, ao sabor das fakes news que ela mesma alimentaria na edição (em papel) de 17 de março.

            Samba de uma nota só…

            Com igual viés, ditado por um olhar sobre a realidade que não consegue contemplar outras visões na sociedade plenas de legitimidade, seu concorrente O Estado de S. Paulo, três dias após o crime bárbaro, já assumia em editorial intitulado “O assassínio da vereadora” (acesse aqui: https://bit.ly/2GCJW26) seu papel de porta-voz dos movimentos e correntes políticas à direita, que polarizam com entidades e partidos do campo progressista. Seu ponto de partida elementar foi acusar o “inimigo” comum: “não à toa, o PT tratou logo de explorar o caso”.

           Contra todas as evidências de execução, subtraindo a figura pública, bandeiras de luta, compromissos com as lutas das favelas, e em defesa dos direitos da mulher e da comunidade LGBT, o Estadão apresenta um perverso requinte de falsa equivalência, num primor de raciocínio rastaquera. Afirma o editorial (cit.):

É claro que não se pode pretender, ante a comoção nacional, que o assassínio de Marielle seja tratado como um crime qualquer. Por outro lado, seu caso não pode ser considerado mais importante do que, por exemplo, o assassínio do policial militar Jean Felipe de Abreu Carvalho, de 29 anos, cometido poucas horas depois, na zona oeste do Rio. Jean Felipe estava de folga e foi baleado por assaltantes. Com isso, chegaram a 27 os PMs mortos no Estado do Rio somente neste ano – no ano passado, foram mais de 130 – e nenhum deles teve a notoriedade post mortem da vereadora Marielle.

            No fundo, o diário impresso da Família Mesquita defende uma forma de naturalização da execução de Marielle, buscando desqualificar a mobilização e repercussão, com base no obtuso raciocínio da falsa equivalência, o tratamento igual para casos desiguais. Evidente que o assassinato de qualquer pessoa, seja qual for seu papel na sociedade, deve ser tratado com indignação e busca pela justiça. No caso de Marielle Franco há um conjunto de questões colocadas que não podem ser ignoradas, sob nenhuma hipótese: ela foi assassinada porque é mulher, negra, LGBT, de esquerda e comprometida com os direitos humanos e as reivindicações das comunidades empobrecidas do Rio de Janeiro. Seu assassinato é uma manifestação inconteste do Estado de Exceção que vivemos, na capital carioca, e no país, com o despertar das bestas-feras que comandam uma “operação”, supostamente contra a corrupção, seletiva e ideológica, que já dura quatro anos.

            Folha alimenta as fake news

            A opção pela cobertura “palaciana” (para usar uma expressão de Paula Cesarino) provocou outro impacto condenável no caso Marielle. Na edição de 17 de março (impressa), o jornal estampou o seguinte título: “Magistrada diz que Marielle tinha elo com bandidos”, com uma linha fina devastadora à memória e reputação da parlamentar assassinada: “Desembargadora diz que Marielle estava engajada com bandidos e é ‘cadáver comum’”. O jornal repercutia, sem apurar minimamente, uma postagem feita pela desembargadora Marilia Castro Neves (TJ/RJ) em rede social.

2018 03 16 reportagem fake da FSP

            Uma semana depois, reportagens publicadas em veículos da mídia impressa tradicional estabelecem o nexo entre as fake news e o grupo conservador Movimento Brasil Livre, que teve destacado papel no golpe de 2016, contra a democracia. O assunto volta a ser alvo da crítica da ombudsman Paula Cesarino (edição de 25/03, acesse aqui: https://bit.ly/2G83gTR). Na linha fina de sua coluna “Das responsabilidades”, ela vai direto ao ponto: “Título e organização do texto de reportagem da Folha foram combustível para notícia falsa sobre vereadora assassinada”.

            O elo de ligação entre o MBL e o rastilho de pólvora das notícias falsas, uma espécie de assassinato da reputação à memória de Marielle Franco foi o site Ceticismo Político (https://bit.ly/2I6ci4v), editado por um militante de direita nas redes sociais que diz se chamar Carlos Augusto de Moraes Afonso, e que assinava com o pseudônimo de “Henrique Ayan”.

            Pego no flagra, praticando o crime das fake news (título original do Ceticismo Político: “Desembargadora quebra narrativa do PSOL e diz que Marielle se envolvia com bandidos e é “cadáver comum”) Afonso/Ayan saiu-se com esta explicação que, observem, implica a jornalista Mônica Bergamo e a própria Folha de S. Paulo:

O post basicamente apontava o conteúdo da matéria de Mônica Bergamo. O post, publicado por colaboradores, mas editado por mim, trata as declarações de Marília como se fossem uma ironia e usa o termo “quebra de narrativa”, principalmente ao mencionar o fato de que foi levantada a hipótese de que Marielle talvez não tivesse sido vítima de um crime político. Ou seja, são os fatos, acompanhados de uma análise. A desembargadora realmente fez as declarações que fez. As dúvidas já estão lançadas e não é mais possível que membros do PSOL afirmem que Marielle certamente “foi vítima de crime político” sem serem questionados. Nós não sabemos quem matou Marielle, mas o PSOL também não sabe. Isso significa que a narrativa daqueles que querem culpar a PM ou a intervenção está “quebrada” até que surjam fatos novos.

            Esta foi a origem das dezenas de milhares de compartilhamentos, numa onda que replicou notícias falsas e ataques de ódio de classe à reputação da vereadora do PSOL. Para Cesarino, “a Folha deveria também ter investigado quem era a desembargadora, antes de publicar a notícia”. Algo que o Portal G1 fez em oportunas reportagens que resgatam postagens antigas da desembargadora Castro Neves (casos nos quais ela defende pena de morte para um deputado federal do mesmo PSOL, ou satiriza grotescamente a primeira professora brasileira, portadora de síndrome de Down, ou ainda quando desqualifica denúncias de assédio moral e sexual feitas por mulheres). Uma fonte que deveria merecer, com o rigor jornalístico indispensável, uma tremenda investigação antes de ser tratada como fonte de fato.

            No livro “Escola Base: onde e como estão os protagonistas do maior crime da imprensa brasileira” (2016), o jovem jornalista Emílio Coutinho investiga esse conhecidíssimo e lamentável episódio, visto a partir de seus personagens centrais, 20 anos depois, em 2014. Um deles, Saulo da Costa Nunes, que fora acusado de pertencer a uma rede de pedofilia comandada pelos donos da escola, é taxativo quando avalia o papel da imprensa, naquele episódio e no cotidiano das pessoas:

A gente vê claramente no noticiário como a imprensa se coloca de certa forma, como ela usa o poder da máquina para levar as pessoas para lá e para cá. A imprensa leva um monte de gente, os ignorantes. Como leitor eu filtro tudo. É uma prática da imprensa noticiar aquilo que ela quer e aquilo que ela acha que vai dar os pontos de audiência. Meu olhar crítico é em cima disso. (p. 82).

            No caso da cobertura da morte da vereadora Marielle Franco, mais que “disputar narrativas”, a velha mídia cerrou fileiras, em sua fala institucional, com as vozes do atraso, do oportunismo político, e da produção das fakes news – que ela jura combater. E tudo em nome de manter como único e definitivo seu olhar sobre a realidade, que no caso ainda em curso, impactou negativamente, até este momento, a produção de conhecimento jornalístico indispensável para auxiliar a sociedade a acompanhar, refletir e entender de quem são as digitais na arma que tirou a vida da vereadora e de seu motorista.

Anúncios