Carolina Maingue e Fernanda Felizari
Estudantes de jornalismo na UFSC, especial para o objETHOS

A cobertura da NSC TV e da RIC/Record na última semana deu alguma esperança para quem acredita que o jornalismo deve proporcionar, sempre que possível, os substratos para a vontade coletiva de um mundo mais igualitário e livre de preconceitos. A NSC, mesma empresa que cede vasto espaço para a veiculação de colunas com teor machista, não ficou em cima do muro na hora de se posicionar, durante o Jornal do Almoço (edição de 19/6), contra as atitudes misóginas dos brasileiros que constrangeram uma jovem na Rússia. Da mesma maneira, a RIC/Record produziu uma matéria a respeito de mais uma tentativa de anulação de casamento homoafetivo por parte do promotor de Justiça Henrique Limongi (MP/SC). A reportagem deu voz às envolvidas, ouviu militantes LGBT e contextualizou a situação singular com o histórico de ataques desse promotor à comunidade gay.

No entanto, a mesma representação conferida a pautas feministas e à luta LGBT não existiu quando o assunto foi ocupação habitacional e direito à moradia. Essa diferença é decorrente de uma cobertura que aceita englobar algumas reivindicações de grupos oprimidos, mas que não entende a consubstancialidade e a interseccionalidade dessas opressões como pilares estruturais da sociedade. A consubstancialidade é um termo cunhado pela francesa Daniele Kergoat, e a interseccionalidade foi introduzida pela jurista estadunidense Kimberle Crenshaw com forte influência dos movimentos estadunidenses do feminismo negro. Apesar de algumas diferenças teóricas, o essencial para ambas, na origem dos conceitos, foi a percepção de que os problemas identificados em grupos sociais não podem ser extraídos do contexto sistêmico no qual eles foram criados. Esse contexto abrange uma formação histórica racista, machista e classista, essa última responsável por fazer com que se torne quase impossível, para algumas pessoas, conseguir uma moradia por caminhos convencionais.

O que as nossas emissoras locais demonstraram essa semana foi a incorporação de pautas originadas das lutas feminista e LGBT. Mas quando se trata de ocupação do espaço urbano por pessoas menos privilegiadas – uma prática que tensiona os limites do sistema que é capitalista, racista e sexista -, a NSC e a RIC não apontam para a profundidade dessa relação. Ainda que tenha havido sensibilidade para relatar como a opressão machista ressoa na identidade e na vida das pessoas, o que é essencial para um jornalismo humanizado, a linha editorial das empresas continua em sintonia com a Prefeitura, a Polícia Militar e o mercado imobiliário, demonstrando a cumplicidade dessas emissoras em relação aos grupos dominantes. Há quem acredite que pode haver progresso nos direitos das mulheres e dos LGBTs sem que seja necessário atingir uma sociedade mais igualitária economicamente: e tudo bem. Este é um preceito, de certa forma, ideológico, mas falta à mídia daqui assumi-lo explicitamente.

Nossa análise observou a produção jornalística televisiva da NSC e da RIC na semana entre os dias 18 e 22 de junho, mas por conta do foco que resolvemos dar à cobertura de ocupação urbana e os desmontes de casas no Alto da Caieira, no Maciço do Morro da Cruz, não pudemos deixar de fora uma matéria veiculada já na 2ª feira, 25, pelo Balanço Geral da RIC. Na reportagem, é comentado brevemente sobre os conflitos que têm acontecido na região, quando os moradores reagiram contra as ações que derrubaram casas que estavam em áreas irregulares. Houve alguns protestos, e uma ocasião de confusão com dois feridos por bala de borracha. Mas o veículo explicou muito sinteticamente essa situação e em seguida fez uma entrada ao vivo com Lucas Arruda, representante da Superintendência de Habitação e Saneamento da Prefeitura.

O entrevistado afirma que as casas notificadas estão em terreno da Prefeitura, no qual está prevista a construção de 192 apartamentos para atender a população de baixa renda. Ele conta que a prefeitura estava disposta a fazer uma reunião ampliada e realizar um cadastro dos ocupantes, mas a partir de orientação do advogado os moradores recusaram esta proposta. No entanto, fica o vácuo de não entender o porquê desta recusa. A matéria também não explora em quais condições viviam os moradores antes da ocupação, nem o que farão após a derrubada das casas. Resumindo: falta a voz da própria comunidade.

Por sua vez, o fato de o “Ao Vivo” ter acontecido no Aterro da Baía Sul, distante do local da ocupação, não foi exatamente uma escolha. Conversamos com a repórter responsável pela pauta, Karina Keppe, e ela afirmou que o jornal já ouvira as famílias em outra situação, mas que em outra tentativa eles não quiseram falar mais com a equipe. “Tentamos fazer entradas ao vivo direto da comunidade e fomos barrados pelos moradores. Por isso até a opção de fazer o ao vivo em outro ponto que não a comunidade”, explica.

Em outro momento da cobertura, a RIC realmente deu voz aos moradores. Mas houve toda uma suíte (como nesta, nesta, nesta e nesta e nesta matéria) que ignorou as principais fontes para a pauta: os sujeitos e sujeitas da ocupação. As outras reportagens trazem a informação de que parte dos terrenos ocupados fora vendida por grileiros, que se apropriaram de uma área da prefeitura, e que certo lote custou R$ 50 mil ao comprador. Por que comprar do grileiro e não de imobiliárias? Quais foram as condições para este financiamento? Há uma quantidade significativa de pessoas que apenas ocuparam, por conta própria, a região? Todos esses questionamentos não são respondidos pela cobertura, que prioriza a justificativa da prefeitura de que as áreas são de preservação permanente ou são destinadas ao programa habitacional.

Do jeito que está colocado parece que a questão se resume a entraves burocráticos e projetos que não saem do papel, mas é da vida dessas pessoas que o jornalismo deveria estar falando. Sob que teto poderão ficar essas famílias quando suas casas forem derrubadas? De que forma continuariam a sobreviver? Entendemos que é complicado muitas vezes o acesso da grande mídia a esse tipo de comunidades, principalmente quando se traz ao lado uma enorme câmera de vídeo, mas justamente por raramente representar essas pessoas com justiça que foi aberta tamanha distância entre o povo e as telas da redação.

+++++++

Este artigo foi produzido na disciplina Crítica do Jornalismo, que motiva os estudantes a desenvolverem capacidades de leitura crítica sobre os veículos jornalísticos locais. O texto traz uma análise dos telejornais da NSC/TV e RIC/Record, observados no período de 18 a 22 de junho de 2018.

Anúncios