Aos 87 anos e depois de uma vida inteira dedicada ao jornalismo, morreu em Bogotá (Colômbia) o jornalista Javier Dario Restrepo. Ele era considerado um dos principais nomes dos debates sobre ética jornalística na América Latina, e desde 1995 atuava na Fundación Gabo, dando cursos sobre o tema, escrevendo livros e respondendo questionamentos de estudantes e profissionais em seu Consultório Ético.

A morte de Restrepo foi anunciada no domingo, 6, um dia depois de ele regressar de Medellín onde havia participado do Festival Gabo e lançado seu último livro, “La constelación ética”. Por sua contribuição à profissão, em 2014, Restrepo recebeu o Premio Gabriel García Márquez de Jornalismo, mas já havia ganho outros importantes reconhecimentos internacionais, como o Premio Latinoamericano à Ética Jornalística, concedido pelo Centro Latinoamericano de Periodismo (Celap).

Entre seus 22 livros, destacam-se os dois volumes de “El zumbido y el moscardón”, onde reúne centenas de respostas a perguntas sobre jornalismo, tomada de decisão, ética, qualidade e princípios, colecionados ao longo de décadas no Consultório Ético.

A Fundación Gabo lamentou profundamente a perda do jornalista, considerado um referente, um mestre, um pilar do jornalismo por veículos latino-americanos.

O Observatório da Ética Jornalística (objETHOS) também lamenta o desaparecimento de Javier Dario Restrepo, uma bússola moral e ética para nossos pesquisadores. “A vocação humana para a excelência abarca seu ser e seu fazer. Ser excelente como pessoa é a base para ser excelente como profissional”, disse Restrepo em entrevista dada ao objETHOS em maio de 2017.

Javier Dario Restrepo morreu, mas permanece seu legado de sabedoria, compromisso profissional e um entusiasmo contagiante para contar histórias e revelar pessoas.