O Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC abriu inscrições para seleção de alunos de mestrado e doutorado. A grande novidade é que o processo seletivo destina 50% das vagas às ações afirmativas: pessoas pretas e pardas, indígenas, quilombolas, refugiados, travestis, transexuais e pessoas com deficiência.

Catorze professores abriram um total de 26 vagas, e cinco delas estarão vinculadas a docentes-pesquisadores do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS). O professor Samuel Lima tem duas vagas para orientar mestrado e duas de doutorado. Esses trabalhos devem se alinhar aos assuntos de sua especialidade: jornalismo como profissão: perfil profissional, identidade e condições de trabalho; teoria do jornalismo – jornalismo como forma social de conhecimento; e crise no jornalismo e sustentabilidade do negócio jornalístico.

Já o professor Rogério Christofoletti abriu uma vaga para doutorado, e seus temas de interesse de orientação são: ética jornalística; crise no jornalismo; transparência no jornalismo e media accountability; privacidade, vigilância e jornalismo.

A seleção tem três etapas, todas a distância por causa da pandemia: análise de currículo e projeto, prova escrita, e entrevista. O prazo de inscrição vai até 12 de março, e os detalhes podem ser consultados no edital.

Candidatos aprovados no processo seletivo com a sinalização de orientação desses professores vão atuar no grupo de pesquisa do objETHOS, que mantém atividades como reuniões periódicas, produção de artigos científicos, e participação em eventos. O número de vagas aponta para a disponibilidade de acompanhamento dos docentes, e só serão totalmente preenchidas em caso de aderência às pesquisas em andamento, aprovação no processo seletivo, e matrícula no programa de pós-graduação.

O objETHOS foi criado em 2009 e desde então contribui para a formação de novos mestres e doutores em jornalismo. Veja aqui os trabalhos já orientados pelos professores do grupo.

Publicidade